Por RICARDO BRAUN, PROJECT LEADER 

Em 2021, muitos fabricantes priorizarão a transformação. 

A pandemia teve um sério impacto neste setor, que por sua vez afetou o mundo de forma real; um exemplo notável foi a falta de equipamentos médicos e itens essenciais durante os primeiros meses da pandemia. 

A produção manufatureira global caiu 11,2% no segundo trimestre de 2020 em comparação com o mesmo trimestre de 2019. A indústria manufatureira está mostrando sinais de recuperação este ano, mas especialistas dizem que o mundo está acordando para a percepção de que existem sérias desvantagens para depender de uma rede global de “cadeias de suprimentos complexas e produção just-in-time”. 

Empresas em todo o mundo estão adotando a transformação para manter seus negócios vivos e preparados para o futuro. De acordo com um relatório recente, 92% delas estão tornando imperativo melhorar a “eficiência operacional”; 67% estão acelerando seus investimentos em transformação digital.  

Urgência crescente para transformação  

Não é nenhuma surpresa que a transformação digital seja um foco importante para a maioria das empresas de manufatura. A digitalização aumenta a eficiência operacional e promove um ambiente de inovação. 

As seguintes tendências vêm ganhando força no setor manufatureiro há anos, mas em 2021 elas ganharão mais atenção: 

1. Práticas de fabricação flexíveis 

Os acontecimentos imprevisíveis e inéditos de 2020 forçaram a necessidade de agilidade nas operações. Esperamos ver um maior interesse em Sistemas Flexíveis de Fabricação (FMS). 

Com o FMS, os fabricantes podem configurar seus sistemas para produzir facilmente uma variedade de peças e lidar com níveis variáveis ​​de produção. Isso permite que os fabricantes se adaptem às mudanças rapidamente, aumentem a produtividade e a eficiência operacional e, por fim, economizem tempo e reduzam custos. 

2. Digital twins 

O trabalho remoto aumentou o interesse em ‘Digital twins’. Um ‘Digital twin’ é uma cópia virtual de um ativo físico ou produto que coleta dados em tempo real que podem ser acessados ​​em qualquer lugar e usados ​​para avaliar e otimizar o desempenho. 

Por exemplo, os fabricantes podem criar ‘Digital twin’ de suas cadeias de suprimentos ou processos para monitorar, testar ou melhorá-los de forma rápida e econômica. 

Com o 5G facilitando a ‘Internet das Coisas’ (IOT), a tecnologia ‘Digital Twin’ está definida para ser uma das grandes novidades da quarta revolução industrial. 

3. Big data e machine learning 

A primeira revolução industrial foi movida a vapor, a segunda foi elétrica, a terceira foi por computador e robótica e a quarta são sistemas ciberfísicos. 

Com o IOT, todos os ativos podem ser conectados em rede e gerenciados digitalmente. Veículos autônomos e rastreamento de identificação por radiofrequência (RFID) de mercadorias facilitarão cadeias de abastecimento mais rápidas e eficientes. 

‘Big data’ e ‘machine learning’ irão melhorar as práticas ágeis e os regimes de manutenção preditiva. A lista de mudanças é infinita, mas é crucial não negligenciar o fator humano neste processo. Ainda precisamos da inteligência humana para garantir que esses sistemas funcionem como deveriam.  

4. A força de trabalho capacitada digitalmente 

Na terceira revolução industrial, o cliente era o rei, mas, cada vez mais, as principais organizações de manufatura estão tratando não apenas da experiência do cliente, mas também da experiência do funcionário. 

Os dias estão contados para estruturas de gerenciamento autocráticas de cima para baixo. Ter uma força de trabalho capacitada digitalmente deve, em teoria, levar a decisões mais rápidas e eficazes, aumentando ainda mais a eficiência de custos e a inovação. 

Como as empresas vão ganhar essa força de trabalho capacitada digitalmente? Para alguns, isso envolverá o investimento em novos talentos. Para outros, eles terão que aprimorar sua força de trabalho. Para muitos, isso envolverá ambos. 

A implementação correta é crucial 

O próximo ano será de transição, com objetivos diferentes em diferentes empresas de manufatura. Para enfrentar essa tempestade de desafios, todos devem se concentrar no aumento da agilidade nas operações e no investimento em iniciativas digitais. 

No entanto, embora as tendências destacadas acima sejam importantes, é crucial lembrar que elas são apenas metade da história. A outra metade é desenvolver a capacidade de mudança em sua organização para implementar a transformação de maneira eficaz e sustentável. 

Em nossos anos de experiência na execução de manufatura ágil e transformação digital, um dos problemas comuns que temos visto são as iniciativas que não atendem às necessidades reais do negócio, negligenciando também o fator humano na implementação. O que os executivos podem fazer para mitigar isso? 

1. Faça o trabalho de base. 

Para garantir que a transformação atenda às necessidades de negócios, os fabricantes devem trabalhar para: 

  • Diferenciar necessidades percebidas de necessidades reais de negócios; 

  • Avalie a visão atual da empresa e se ela precisa ser retrabalhada; 
  • Identificar ineficiências em todos os níveis da empresa; 
  • Saiba quais benefícios eles gostariam de obter com a transformação; 

2. Utilizar as melhores práticas de gestão da mudança 

Isso significa ter uma estratégia sólida para comunicar as mudança aos funcionários e envolvê-los com a transformação desde o início. 

3. Incorpore uma cultura de mudança contínua 

Uma cultura de mudança contínua permite que as empresas girem como uma máquina bem lubrificada quando necessário. Essa capacidade ajudará as empresas a prosperar e a se preparar para o futuro. 

Para saber mais sobre como implementar a transformação com sucesso, baixe nossos white papersPowering Successful Digital Transformation e Future-ReadyAgile Organisations: The Winning Blueprint for Change.)